31 de jul de 2017

Formulário online para atualização cadastral.

Isso mesmo, agora você pode atualizar seus dados diretamente do seu computador, tablet ou celular.



Para isso basta acessar o link:


Responder as perguntas do formulário e no final clicar em enviar. Simples assim.
Corre lá agora mesmo e deixe o seu cadastro atualizado.

Ass. Hab. do Bem Viver de Taboão da Serra.
"Moradia digna para todos"

29 de jul de 2017

Assembleia Agosto/2017


A Associação Habitacional do Bem Viver de Taboão da Serra, convoca todos os seus associados para a próxima assembleia ordinária da entidade que acontecerá dia 10 de agosto de 2017 as 19h30min na Câmara Legislativa de Taboão da Serra.
Na ocasião serão discutidos temas sobre o projeto Santa Terezinha III e outros do interesse de todos.
A sua participação é de suma importância.

Para maiores informações ligue (11) 4137-8739 ou envie um e-mail para contato@bemvivermoradia.com.br

Atenciosamente.

Coordenação da Ass. Hab. do Bem Viver de Taboão da Serra.

Nota dos Jesuítas na 2ª Assembleia da Provínia Brasil.



Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5, 24).
Nós, mais de trezentos jesuítas do Brasil, reunidos em Assembleia Nacional de 25 a 27 de julho de 2017, para celebrar os três anos de caminhada da nova Província do Brasil, não podemos deixar de manifestar nossa preocupação e até nossa indignação diante da maneira como as classes dominantes conduzem as crises econômica, social e política que assolam o país e afetam a população brasileira, sobretudo os mais empobrecidos. 
A corrupção e a promiscuidade entre interesses públicos e privados nas esferas dos poderes instituídos escandalizam a maioria do povo brasileiro e tiram legitimidade aos poderes executivo e legislativo. Nem sempre o judiciário escapa de parcialidade.
A desigualdade socioeconômica, nestes últimos anos, agravou-se significativamente. 
Além dos 14 milhões de desempregados, pelo menos 10 milhões de trabalhadores ficam subempregados ou desistem de procurar trabalho. 
Muita gente, que tinha saído da miséria e da pobreza, está voltando à assistência social. 
O recrudescimento da desigualdade produz mais violência de todos os tipos na sociedade, contra a pessoa e a vida, contra as famílias, tráfico de drogas e outros negócios ilícitos, excessos no uso da força policial, corrupção, sonegação fiscal, malversação dos bens públicos, abuso do poder econômico e 
político, poder manipulador dos meios de comunicação social e crimes ambientais.
A idolatria do dinheiro, de acordo com o Papa Francisco, dá primazia ao mercado, tanto em detrimento da pessoa humana como em detrimento do trabalho (cf. Evangelii Gaudium, 53-57). 
Não é justo submeter o Estado ao mercado, em nome da retomada do desenvolvimento. Quando é o mercado que governa, o Estado torna-se fraco e acaba submetido a uma perversa lógica do capital financeiro. 
Como nos adverte o Papa Francisco, “o dinheiro é para servir e não para governar” (Evangelii Gaudium 58).
No esforço de superação do grave momento atual são necessárias reformas, que se legitimam quando obedecem à lógica do diálogo com toda a sociedade, tendo em vista o bem comum. Por essa razão, as Reformas Trabalhista e da Previdência, como foram encaminhadas ao Congresso, carecem de legitimidade. Outras propostas em tramitação no Congresso, não poucas vezes por medidas provisórias, como a “liberação” do desmatamento, a “legalização” da grilagem de terras urbanas e rurais, a mercantilização de terras para corporações estrangeiras e a “outorga” das terras indígenas e quilombolas ao agronegócio, são afrontas à Constituição Federal que garante direitos e cidadania para todos. Os ajustes desse (des)governo para atender ao mercado, assim como o domínio do agronegócio, explicitado na CPI da Funai e do Incra, abrem espaço para mais violência e mortes no campo e nas cidades, como noticiado nestes últimos tempos. Os movimentos sociais e populares, como também instituições que
lutam em prol das populações excluídas, estão sendo criminalizados e falsamente denunciados.
Essa situação interpela hoje a missão dos jesuítas no Brasil. Comprometemo-nos a manter nossa presença junto aos mais empobrecidos e excluídos, como também, pela análise das causas da persistente situação de desigualdade e de exploração desordenada da natureza, contribuir para a superação do abismo da desigualdade socioambiental, em solidariedade à esperança do povo. 
Sentimo-nos chamados a manter-nos fieis ao Evangelho, que nos impulsiona a reconhecer e a denunciar as injustiças estruturais e históricas, sobretudo a grande dívida social em relação aos mais fracos e vulneráveis. 
Na esperança teimosa em dias melhores queremos colaborar na construção de um Brasil justo.

Itaici, Indaiatuba/SP, 27 de julho de 2017.⁠⁠⁠⁠

14 de mai de 2017

Ass. Hab. do Bem Viver de Taboão da Serra - Assembleia Maio 2017

No dia 10 de maio de 2017 foi realizado mais uma assembleia ordinária da Ass. Hab. do Bem Viver de Taboão da Serra uma das entidades organizadoras do Projeto Santa Terezinha III.
A assembleia estava marcada para ser realizada no dia 11, mas devidos a alguns imprevistos a mesma teve que ser adiantada e assim realizada na data mencionada acima.
Apesar do imprevisto ainda compareceram muitos associados.
Confira algumas imagens do evento.









Em breve publicaremos mais imagens do evento.

Oficina Abril 2017 - Projeto Santa Terezinha III

Sempre antes de realizarmos algum mutirão de limpeza no terreno, é realizado uma oficina de autogestão, uma espécie de curso que ensina de forma rápida e prática como os associados devem se comportar durante os trabalhos.
E dessa vez não foi diferente, as entidades organizadoras do Projeto Santa Terezinha III ( Ass. Hab. do Bem Viver de Taboão da Serra e a Ass. por Moradia Família Feliz) realizaram no dia 29 de abril de 2017 mais uma oficina em conjunto com a Assessoria Técnica da Ambiente Arquitetura afim de levar conhecimento sobre projetos de autogestão.
Confira nas imagens a seguir como foi o curso.







Em breve mais imagens.

Mutirões Abril 2017 - Projeto Santa Terezinha III

Durante todo o mês de abril, as entidades que administram o Projeto Santa Terezinha III (Ass. Hab. do Bem Viver de Taboão da Serra a Ass. por Moradia Família Feliz) realizaram mutirões com os associados para a limpeza do Terreno.
Os mutirões sempre aconteciam aos sábados e domingos do mês citado anteriormente.
Confira algumas imagens da ação.





Em breve mais imagens estarão disponíveis.

9 de nov de 2016

MOVIMENTO RELATO DA REUNIÃO COM SNH E 5 MOVIMENTOS.

PRESENTES: Henriqueta, Daniel (Diretor de Produção habitacional), Elder (da equipe do MCMV Entidades)
Paulo Cohem, Jô e Heloísa (CMP), Wellington, Serginaldo e Paloma (MLB), Bartiria e Veneranda (CONAM) , Miguel e Beto (MNLM), Evaniza e Lídia (UNMP)


Interlocução e diálogo com os movimentos
Henriqueta lembrou de seu convívio com os movimentos ao longo dos anos, no Conselho, na PEC e em outros espaços.
Diz que é transparente e direta e quer manter sua relação assim. Quer a participação direta dos nossos e dos demais movimentos.
Não se comprometeu com uma agenda sistemática, mas chamará sempre que tiver questões importantes para debater. Vão agendar as reuniões e mandar o material antes, para chegarmos com pontos de debate.
Até o final de novembro, querem ter a nova resolução e IN do programa e também sobre o orçamento. Vai fazer algumas reuniões antes. A Caixa será incluída nas reuniões.
“Quer combater os pontos fracos do programa, para dar mais credibilidade”.
As primeiras reuniões terão como tema:
- Obras paralisadas
- Compra antecipada

Diagnóstico
Fizeram diagnóstico do programa e da contratação. Ainda estão levantando informações. Fazem muitas críticas à demora das obras, paralisação e atrasos. Também sobre a finalização dos contratos.
Também afirmam que o governo anterior contratou sem ter o recurso suficiente para todos os contratos. E que por isso não se importavam com o andamento das obras. Nós questionamos esse diagnóstico e dissemos que queremos discutir a razão dessas questões.
Tambem questionou a grande quantidade de operacionalizações e que não irão mais excepcionalizar.
Henriqueta informa que não tem faltado dinheiro nem atraso para pagamento dos contratos. Eventuais atrasos podem ter ocorrido por atraso de análise da Caixa ou pendências, mas não por falta de recursos.

Compra Antecipada
A modalidade foi muito questionada. Disseram que demora muito para virar obra e que não houve controle. Que isso é ruim porque deixa recursos comprometidos e não permite a contratação de mais obras. Querem acabar com a modalidade.
Nós divergimos da posição colocada e falamos da importância da Compra Antecipada para viabilizar terrenos em cidades com mercados aquecidos. 
Vimos muitas questões com divergência de análise, como por exemplo, ela disse que na compra antecipada, ainda não havia o grupo de famílias. Explicamos que sim e que isso sempre foi uma exigência do programa.
Também questionou os grandes conjuntos, citando especificamente o MTST.

Obras paralisadas
SNH pediu para a Caixa um detalhamento sobre as obras paralisadas, verificando o que deu causa à paralisação. Se for considerado que a EO deu causa, será impedida de fazer novas contratações. É contra o afastamento da EO e substituição pela CAO e CRE, devido a problemas jurídicos para o prosseguimento da obra.
Afirmam que vão retomar todas as obras.

Meta de contratação do programa
Henriqueta informou que não haverá contratação em 2016. Propuseram no Orçamento de 2017: 35 mil uh para MCMV Entidades, 35 mil uh para MCMV Rural e 100 mil para FAR (que inclui as uh para urbanização e saneamento). Esta proposta depende de aprovação no Congresso e também se não houver contingenciamento. Disse que não tem previsão para 2018.
Orçamento do FGTS de 2017 a 2020 já está aprovado pelo Conselho Curador, para faixas 1,5, 2 e 3. Tem R$ 57 bilhões, sendo R$ 9 bi de subsídios.

Novas seleções
Henriqueta disse que honrou as seleções feitas até maio e as contratações foram feitas e que há um déficit entre o orçamento 2016 e os compromissos contratados.
A republicação da portaria passou a competência da seleção para a Caixa. O Ministério publicará normatização sobre os critérios de seleção e os procedimentos. Nas novas seleções serão considerados tanto os empreendimentos dentro da portaria de publicação (portaria 258), quanto os que estiverem fora, mas estiverem em condição de contratação. Não tem clareza sobre a proposta de qualificação que vínhamos trabalhando 
A seleção será feita pelo Agente financeiro (GEHER) e enviado ao AF. A SNH será apenas uma instância de recurso. 
Henriqueta disse que os critérios deverão ser sempre técnicos e objetivos. Nós questionamos que devem existir critérios ligados ao processo de organização. Ela concordou em incluir, mas só aqueles que forem “objetivos”. Discorda dos critérios da participação em conselhos e conferências.
Também quer priorizar projetos menores. Ficou claro que a demanda deverá ser apresentada no inicio do processo.

CRIMINALIZAÇÃO E QUESTIONAMENTOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (MPF) SOBRE PROCESSO DE SELEÇÃO
Ministério das Cidades respondeu ao MPF informando que os contratos obedeceram as Portarias vigentes à época de contratação.
Ficou acordado que MCidades fará diálogo com MPF. E depois chamará para um diálogo no CTH.
Falamos da questão dos critérios de seleção não se aplicam sobre processos onde o grupo organiza e apresenta a proposta. Henriqueta concordou que não devemos falar em seleção de beneficiários mas em Formação do Grupo de Beneficiários.
De qualquer modo, as famílias deverão ser inseridas no Sistema.

REVISÃO DOS PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA
Solicitamos que o relato do grupo de trabalho feito na Caixa no 1º. Semestre seja recuperado e incluído no debate. 
Foram levantados alguns aspectos:
- Fluxo de pagamento das obras e projetos
- Retorno da 2ª Antecipação, aumento do percentual máximo de antecipação, de acordo com a curva da obra.

OUTROS
Habilitação continua aberta para MCMV Urbana e Rural. Entidades urbanas também podem atuar no rural e vice-versa.

SITUAÇÕES ESPECÍFICAS
Mudança de fase 1 para Fase 2 – está normal, pode contratar a Fase 2. Se precisar de reajuste de valor, farão a seleção complementar, desde que atendida a especificação correspondente.
Prorrogação de clausula suspensiva – Caixa tem a prerrogativa. Vão estudar caso a caso. Henriqueta falará com André Marinho (Superintendente de Entidades).
Imóveis do INSS – Ficaram de estudar a forma de passar os imóveis para o FDS, tanto a lista de 2007, quanto a lista de 2009. Questionam se o chamamento feito para o FAR serve para o FDS.
Seleções vencidas e não contratadas: não estão mais válidas
Ocupação Isidora – BH – Mcidades vai participar da mesa de negociações se forem convocados.
Convênio com Casa Paulista – Será retomado para 2017.